auto da compadecida historia e personagens da obra

auto da compadecida historia e personagens da obra

No universo da dramaturgia brasileira, o Auto da Compadecida se destaca como uma obra-prima do teatro popular. Escrita por Ariano Suassuna em 1955, a peça retrata com humor e lirismo a vida e os milagres de João Grilo, o astuto anti-herói que defende os injustiçados.

Nosso índice de conteúdo

Auto da Compadecida: Uma Viagem pela História e Personagens da Obra

História da Peça

A peça "Auto da Compadecida", escrita por Ariano Suassuna em 1955, é uma obra-prima do teatro brasileiro, que retrata a vida e os costumes do povo nordestino, com uma mistura única de humor, drama, religiosidade e crítica social.

A história se passa na região semiárida do Nordeste brasileiro, em um vilarejo fictício chamado "Taperoá". O enredo gira em torno de dois "malandros", Chicó e João Grilo, que usam de esperteza e artimanhas para sobreviverem em um mundo dominado pela pobreza e pela desigualdade.

A trama se desenvolve a partir de um crime cometido por Chicó, que é condenado à morte por um juiz corrupto. João Grilo, para salvar o amigo, precisa convencer a "Compadecida", a Virgem Maria, a interceder por eles.

A peça é uma crítica mordaz à hipocrisia da sociedade brasileira, mostrando a "corrupção" e a "injustiça social" que permeiam a vida do povo. A figura da Compadecida, personificação da compaixão e da misericórdia, é um símbolo de esperança e de resistência para os personagens e para o público.

Personagens Principais

João Grilo

Personagem central da peça, João Grilo é um "malandro" esperto e sagaz, que usa de sua inteligência para superar as dificuldades da vida.
Ele é um personagem popular, que se identifica com o povo nordestino, utilizando linguagem coloquial e humor para lidar com as adversidades.
João Grilo é um "ladrão" que se transforma em um "herói" ao lutar contra a injustiça e a opressão.

Chicó

Chicó é um "malandro" mais ingênuo que João Grilo, mas também é um personagem carismático e engraçado.
Ele é o oposto de João Grilo, representando a fraqueza e a vulnerabilidade do povo, mas também a esperança em um futuro melhor.

A Compadecida

A Compadecida é a "Virgem Maria", que aparece na peça como um personagem humano e carinhoso.
Ela representa a compaixão e a misericórdia divina, que se compadece dos sofrimentos dos personagens.
A Compadecida é uma figura "maternal" que guia e protege os personagens, mesmo em momentos de crise.

Padre João

Padre João é um "padre corrupto" que representa a hipocrisia da igreja e a "desigualdade social".
Ele é um personagem cômico, mas também um símbolo da crítica social presente na peça.

Bispo

O Bispo é um personagem que simboliza a "autoridade" e a "opressão" do clero.
Ele é uma figura de "autoridade" que tenta impedir a Compadecida de ajudar os personagens.

Temas da Peça

Religião

A peça aborda a "religiosidade" do povo brasileiro, mostrando a relação complexa entre fé e misticismo.
A "Compadecida", a Virgem Maria, é uma figura central na peça, que representa a "misericórdia" e a "esperança" para os personagens.

Corrupção e Injustiça Social

A obra retrata a "corrupção" e a "injustiça social" que imperam na sociedade brasileira, mostrando as desigualdades e as dificuldades do povo.
O "Padre João" e o "Juiz", personagens corruptos, simbolizam a "injustiça" do sistema.

Humor e Sátira

A peça é repleta de "humor" e "sátira", utilizando a linguagem popular e o "teatro de rua" para criticar a sociedade.
Os "malandros" João Grilo e Chicó são figuras humorísticas que personificam a esperteza e a inteligência do povo.

O Auto da Compadecida e a Cultura Brasileira

A peça é uma obra fundamental da cultura brasileira, que retrata a vida e os costumes do povo nordestino com autenticidade e sensibilidade.
"Auto da Compadecida" é uma peça que se tornou um clássico do teatro brasileiro, representando o "folclore" e a "tradição" do país.

Cenário e Figurinos

A peça é ambientada no "Nordeste", com cenários que retratam a pobreza e a simplicidade do povo.
Os figurinos são inspirados na cultura nordestina, com roupas simples e coloridas.

PersonagemAtributosPapel na Peça
João GriloEsperto, sagaz, malandroProtagonista, herói
ChicóIngênuo, carismático, fracoProtagonista, vítima da injustiça
A CompadecidaMisericordiosa, maternal, divinaPersonificação da esperança e compaixão
Padre JoãoCorrupto, hipócrita, cômicoAntagonista, símbolo da hipocrisia
BispoAutoritário, opressor, cruelAntagonista, símbolo da opressão

Quais são os personagens do texto Auto da Compadecida?

o auto da compadecida historia e personagens da obra

Os Personagens Principais

O Auto da Compadecida apresenta um elenco de personagens memoráveis que representam diferentes classes sociais e personalidades. Entre os principais, destacamos:

  1. João Grilo: Um sujeito esperto, mentiroso e malandro, mas com um coração bondoso. Representa o povo simples e luta por justiça contra a opressão.
  2. Chicó: Amigo íntimo de João Grilo, ele é ingênuo, bobo e facilmente enganado. Apesar de sua simplicidade, ele é fiel e tem uma alma pura.
  3. Manuel Palha: Um mendigo muito pobre, ele representa a extrema miséria e sofrimento. Apesar de sua situação precária, ele é corajoso e defende o que é certo.
  4. Padre Cícero: Um sacerdote corrupto e ambicioso, ele representa a hipocrisia e a falta de moral de alguns representantes da Igreja.
  5. A Compadecida: Uma figura divina que aparece para interferir na história e decidir o destino dos personagens. Ela representa a justiça e a bondade divina.

Personagens Secundários Importantes

Além dos principais, o Auto da Compadecida conta com vários personagens secundários que contribuem para a trama e enriquecem a história.

  1. O Bispo: Representante da autoridade religiosa, ele é arrogante e a favor do poder da Igreja.
  2. O Alemão: Um açougueiro rico e cruel, ele representa a opressão e a exploração dos mais fracos.
  3. O Homem da Onça: Um ser mitológico que assusta e assombra a população. Ele representa o medo e o sobrenatural.
  4. O Soldado: Um representante da força militar, ele é violento e desumano.
  5. O Diabo: Um personagem tradicional do teatro medieval, ele representa o mal e a tentação.

A Representação da Sociedade

A obra retrata, de forma crítica e irônica, a sociedade brasileira do início do século XX, explorando as relações de poder, a desigualdade social, a corrupção e a religião.

  1. A classe alta: É representada pelos personagens ricos e poderosos, como o Bispo e o Alemão. Eles são mostrados como arrogante e despreocupados com o sofrimento dos mais pobres.
  2. A classe baixa: É representada por João Grilo, Chicó e Manuel Palha. Eles enfrentam a miséria, a opressão e a injustiça social.
  3. A Igreja: É criticada pela hipocrisia de alguns de seus representantes, como o Padre Cícero.

A Importância dos Personagens

Os personagens do Auto da Compadecida são fundamentais para a construção da história e a transmissão da mensagem da obra.

  1. Personagens realistas: A obra apresenta personagens que refletem a realidade social da época.
  2. Personagens típicos: Os personagens possuem características e comportamentos próprios da cultura popular brasileira.
  3. Personagens simbólicos: Eles representam ideias, valores e aspectos da sociedade brasileira.

A Influência do Auto da Compadecida

A obra teve grande influência na cultura brasileira e continua a ser relevante nos dias de hoje.

  1. A adaptação para o cinema: O filme "O Auto da Compadecida" (2000) popularizou a obra e a tornou acessível a um público ainda maior.
  2. A influência na linguagem: Expressões e frases do Auto da Compadecida tornaram-se populares na linguagem cotidiana.
  3. A atualidade da obra: Os temas abordados no Auto da Compadecida, como a desigualdade social e a corrupção, ainda são relevantes na sociedade brasileira.

O que relata a história do Auto da Compadecida?

c96c28e75801d644d6558c445b5bb2f9

A História do Auto da Compadecida: Uma Jornada de Fé, Humor e Questionamento

O Auto da Compadecida, obra-prima de Ariano Suassuna, conta a história de João Grilo, um homem pobre e esperto, e seu amigo Chicó, um sujeito ingênuo e falido, que vivem no sertão nordestino. A trama se desenrola em torno da busca por salvação e da luta por justiça em um mundo marcado pela pobreza, desigualdade e opressão.

A Morte de João Grilo e a Intervenção Divina

Após um roubo a um padre, João Grilo é condenado à morte. No momento da execução, ele implora pela misericórdia de Deus, que envia a Compadecida, a figura de Nossa Senhora da Piedade, para julgar o caso. A Compadecida, como mediadora entre o céu e a terra, questiona as ações dos homens e seus julgamentos, defendendo a compaixão e a misericórdia.

O Julgamento de João Grilo e o Debate sobre a Justiça

O julgamento de João Grilo é um dos momentos mais importantes da peça, pois representa a crítica à justiça social e à hipocrisia daqueles que se julgam superiores. A Compadecida questiona o padre e o bispo, personagens que representam a moral e a lei da época, revelando a injustiça e a falta de compaixão no sistema.

A Influência da Cultura Popular Nordestina

O Auto da Compadecida é marcado pela riqueza da cultura popular nordestina, com a presença de elementos como o folclore, a música, a linguagem coloquial e as personagens típicas do sertão. A peça retrata o cotidiano e as crenças do povo nordestino, utilizando o humor e a ironia para criticar as desigualdades sociais e as injustiças da época.

O Triunfo da Compaixão e a Busca por Justiça

A Compadecida, com sua compaixão e senso de justiça, decide salvar João Grilo da morte e punir os responsáveis por sua condenação. A peça termina com a promessa da justiça divina e o triunfo da fé sobre o mal. A história de João Grilo e Chicó se transforma em um símbolo de esperança e resistência para os menos favorecidos, mostrando a importância da compaixão e da luta por um mundo mais justo.

O que retrata a obra Auto da Compadecida?

auto compadecida5

A hipocrisia e a corrupção da sociedade

O Auto da Compadecida retrata a hipocrisia e a corrupção presentes na sociedade da época, utilizando personagens como o padre e o bispo para simbolizar a moral duvidosa daqueles que se apresentavam como figuras de autoridade. Através de suas ações e falas, a peça denuncia a falta de justiça social, a exploração dos pobres e a manipulação religiosa.

  1. A força da fé e da compaixão:
  2. A importância da justiça e do perdão:
  3. A crítica ao poder religioso e político:
  4. A resistência e a esperteza dos humildes:
  5. A relação entre o homem e a morte:

A força da fé e da compaixão

A peça destaca o papel fundamental da fé e da compaixão na vida dos personagens, especialmente a figura da Compadecida, que representa a misericórdia divina. Através da fé e da compaixão, os personagens mais humildes encontram forças para enfrentar as adversidades e superar as injustiças da vida.

  1. A compaixão da Compadecida é demonstrada em sua intervenção em favor dos personagens.
  2. A fé de João Grilo e Chicó os ajuda a superar obstáculos e a confiar na justiça divina.
  3. A peça sugere que a fé e a compaixão podem ser ferramentas para a transformação social.

A importância da justiça e do perdão

A peça questiona a justiça social da época, mostrando que os mais poderosos se beneficiam da impunidade, enquanto os pobres sofrem com a injustiça. A figura do padre, por exemplo, representa a distorção da justiça, utilizando sua autoridade para benefício próprio. A Compadecida, por sua vez, representa o princípio da justiça divina, que não se limita às leis humanas e busca o perdão e a redenção.

  1. O perdão é apresentado como um caminho para a reconciliação e a paz.
  2. A justiça divina é vista como algo superior à justiça humana, que se baseia em interesses pessoais.
  3. A peça incentiva a reflexão sobre a importância da justiça social e a busca por um mundo mais justo.

A crítica ao poder religioso e político

Através de personagens como o padre, o bispo e o governador, a peça critica o poder religioso e político da época, revelando a corrupção, o abuso de autoridade e a hipocrisia presentes nesses grupos. A peça questiona a validade da moral religiosa e a legitimidade do poder político, mostrando que estes podem ser usados para fins egoístas e imorais.

  1. A peça satiriza a hipocrisia daqueles que se apresentam como figuras de moral exemplar.
  2. A crítica se estende àqueles que detêm o poder político, que se aproveitam de suas posições para oprimir os mais humildes.
  3. A peça questiona a validade da justiça humana e defende a justiça divina como uma força superior.

A resistência e a esperteza dos humildes

João Grilo e Chicó representam a força e a esperteza dos humildes, que lutam para sobreviver em um mundo dominado pelos poderosos. Através da inteligência, da esperteza e da fé, eles enfrentam as injustiças e os desafios da vida, buscando justiça e liberdade.

  1. A peça mostra que a resistência pode ser uma forma de lutar contra a opressão e a injustiça.
  2. A esperteza e a inteligência são apresentadas como ferramentas para a sobrevivência em um mundo injusto.
  3. A peça incentiva a luta por justiça social e a busca por um mundo mais igualitário.

O que fala o livro Auto da Compadecida?

71TTwf2v6KL. AC UF1000,1000 QL80

A História de João Grilo e Chicó

O livro "Auto da Compadecida" narra as aventuras de dois espertos e falastrões nordestinos: João Grilo e Chicó. A trama gira em torno da relação deles com o padre João e a figura da compadecida, uma representação da Virgem Maria. Através de uma série de peripécias e artimanhas, a dupla se vê em diversas situações desafiadoras, enfrentando desde a pobreza e a fome até a justiça divina, utilizando a inteligência e a esperteza para superar os obstáculos.

A Crítica Social e Religiosa

A obra de Ariano Suassuna é uma crítica incisiva à sociedade brasileira, em especial à realidade do Nordeste. Através da sátira e do humor, a peça denuncia a desigualdade social, a corrupção, a hipocrisia e a religiosidade superficial. A crítica se estende também à Igreja Católica, representada pela figura do padre João, um personagem ambicioso e interesseiro, contrastando com a compadecida, que simboliza a compaixão e a misericórdia.

O Humor Popular e a Linguagem

O "Auto da Compadecida" é um texto rico em humor popular, utilizando a linguagem coloquial do Nordeste, com expressões e provérbios típicos da região. A peça é marcada pelo uso de gírias, regionalismos e linguagem popular, o que contribui para a criação de um ambiente informal e divertido, aproximando o público da história e das personagens.

A Influência do Teatro Medieval

Ariano Suassuna se inspirou no teatro medieval para construir a estrutura da peça. O "Auto da Compadecida" segue a tradição do auto de Natal, com uma estrutura simples e direta, com personagens alegóricos e um enredo que explora temas religiosos e morais. A peça também apresenta elementos típicos do teatro medieval, como a presença de um coro e a utilização de recursos cênicos simples.

O Legado Cultural e a Adaptação para o Cinema

O "Auto da Compadecida" é uma obra que transcende as fronteiras do teatro, tornando-se um marco da literatura brasileira e um clássico da cultura popular. A obra foi adaptada para diversas mídias, como cinema, televisão e rádio, alcançando um público amplo e consolidando seu sucesso. A adaptação para o cinema, em 2000, dirigida por Guel Arraes, foi um grande sucesso de crítica e público, contribuindo para popularizar a obra entre novas gerações.

Perguntas frequentes

O que é Auto da Compadecida?

Auto da Compadecida é uma peça teatral de Ariano Suassuna, escrita em 1955 e considerada uma obra-prima do teatro brasileiro. A peça é uma comédia satírica que retrata a vida de um grupo de personagens populares, como João Grilo, Chicó, Manuel e sua mulher, padre João, e a própria compadecida. A história se passa em um local e época indefinidos, mas que remetem ao Nordeste brasileiro, utilizando elementos do folclore e da cultura popular. A trama gira em torno da busca por justiça e redenção, com João Grilo usando de sua esperteza e astúcia para enganar a morte e ajudar seus amigos.

Quais são os principais personagens de Auto da Compadecida?

A peça apresenta um elenco rico e divertido, com personagens que representam diferentes aspectos da sociedade. Os principais são:

  • João Grilo: o protagonista da história, um homem esperto, sagaz e malandro que usa de suas habilidades para se dar bem na vida e ajudar seus amigos.
  • Chicó: amigo inseparável de João Grilo, um homem ingênuo, bondoso e simples, que se deixa levar pelas traquinagens do amigo.
  • Manuel e sua mulher: um casal de camponeses humildes e trabalhadores que são vítimas da injustiça e da exploração.
  • Padre João: um padre corrupto e interesseiro, que representa a hipocrisia e a falta de fé.
  • A Compadecida: uma figura divina que representa a compaixão, a misericórdia e a justiça divina.
  • O Diabo: um personagem que representa o mal e a tentação, que está constantemente presente na história, tentando corromper os personagens.
  • A Morte: uma figura implacável e amedrontadora, que representa a finitude da vida e a inevitabilidade do fim.

Qual é a importância de Auto da Compadecida para a cultura brasileira?

Auto da Compadecida é uma peça fundamental para a cultura brasileira, pois representa um marco na história do teatro nacional. A obra de Ariano Suassuna contribuiu para a valorização da cultura popular nordestina, utilizando o folclore, o linguajar coloquial e a música popular para criar uma linguagem própria e original. A peça aborda temas universais como a justiça, a redenção, a fé e o destino humano, de forma acessível e engraçada, tornando-se uma obra que transcende as fronteiras do teatro e se torna parte da consciência coletiva brasileira.

Quais são as principais características do estilo de Ariano Suassuna?

O estilo de Ariano Suassuna é marcado por uma linguagem irônica e crítica, que usa o humor e a sátira para denunciar as injustiças sociais e os vícios humanos. Suas obras se caracterizam por uma mistura de elementos tradicionais e modernos, utilizando elementos do folclore e da cultura popular para criar uma linguagem própria e original. A obra de Suassuna é considerada uma contribuição importante para a consolidação de uma identidade cultural brasileira, valorizando a cultura popular e o idioma nacional.

hqdefault

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Tu valoración: Útil

Subir